23 de Maio de 2019

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

Quinta-feira, 14 de Março de 2019, 17h:00 - A | A

Presas e servidoras de penitenciária em Cuiabá vão ter yoga, meditação e palestras motivacionais

image

As presas e servidoras da Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, começarão em abril aulas de yoga, meditação, aromaterapia e vão participar de palestras para capacitação pessoal e profissional.

O projeto Fênix, como é chamado, foi lançado no dia 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, visando a ressocialização e humanização.

Às mulheres encarceradas e as servidoras do sistema prisional terão palestras motivacionais para conscientização pessoal e profissional para a prática social. As palestras são sobre autoestima, autoconhecimento, motivação e comunicação não violenta.

O objetivo é o desenvolvimento emocional equilibrado, elevação de autoestima, motivação e a comunicação não violenta para a melhoria da qualidade de vida, proporcionando momentos de lazer e aprendizado as mulheres e evitando a ociosidade.

De acordo com Ana Emilia Sotero, presidente Associação Brasileira da Mulheres da Carreira Jurídica de Mato Grosso (ABMCJ-MT), a intenção do projeto é que as detentas e servidoras tenham equilíbrio emocional, autoconhecimento e saibam administrar melhor o tempo.

“Elas terão benefícios na vida pessoal e profissional. (O curso) servirá para entender que elas não perderam a condição humana e a dignidade. Para as reeducandas, será o fortalecimento para ressocialização e para as servidoras será fortalecimento para o olhar a humanização’’, explicou Ana Emilia.

A realização do projeto é de responsabilidade da Associação Brasileira da Mulheres da Carreira Jurídica de Mato Grosso (ABMCJ-MT), em parceria da Associação de Mulheres de Negócios de Várzea Grande (BPWVG), ONG Lírios de Várzea Grande, Sindicato dos Terapeutas de Mato Grosso (SINTER-MT), Fundação Nova Chance, Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), Corregedoria dos Presídio e o apoio do juiz do Núcleo de Execuções Penais, Geraldo Fidélis Neto.

Segundo Ana Emília, não é obrigatória a participação delas no projeto, mas que as mulheres, tanto as presas quanto as servidoras, estão entusiasmadas.

 

Uma sala com ar-condicionado será reservada para as aulas e palestras. As aulas serão quinzenais e as palestras uma vez por mês, em horários determinados pela direção da unidade prisional. Cada turma terá 35 presas e 35 servidoras. A cada três meses haverá uma nova turma.

No decorrer do curso, será produzido um documentário gravado somente por mulheres.

A organização será feita pela terapeuta e presidente do Sinter-MT, Sonia Mazeto, e pela advogada e professora Ana Emília Sotero.

As aulas práticas serão dadas pela terapeuta Larissa Jardim Freire da Silva.

As palestrantes serão a ortodontista Juliana Matsuoka, Sonia Mazeto e Ana Emilia Sotero.

Taynara Umbelino será a representante da ONG Lírios, instituição que dá assistência a mulheres vítimas de violência doméstica em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, que acompanhará o projeto.

Imprimir




RÁDIO

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da





image