icon facebook icon twitter icon instagram

18 de Março de 2019

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO
logo

Quinta-feira, 14 de Março de 2019, 13h:44 - A | A

PGR lembra saída de Maggi da política e quer julgamento em MT

image

Citando o uso de argumentos genéricos, a procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, apresentou o parecer acerca do recurso do ex-senador Blairo Maggi, que pediu a manutenção dos autos da Operação Malebolge – 12ª fase da Ararath – no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF). No documento, a jurista opinou pela recusa do recurso e citou que Maggi tenta retardar o andamento da ação.

O documento foi assinado por Dodge no dia 25 do mês passado. Em termos práticos, o parecer de Raquel defende mais uma vez o encaminhamento da ação contra Maggi à Justiça Federal de Mato Grosso, da forma como a Primeira Turma da Corte decidiu em dezembro do ano passado.

Nas entrelinhas, Raquel citou que a defesa de Blairo usou de argumentos rasos em seu recurso. “Os recursos não merecem conhecimento. Isso porque, os embargantes não lograram fundamentar seus recursos, tendo alegado omissões e contradições de modo genérico. Não infirmaram seus fundamentos, o que seria absolutamente exigível”, citou.

No documento, a procuradora citou que o recurso de Blairo questiona simplesmente a competência do julgamento dos fatos apurados pela operação. Contudo, Dodge cita que o próprio STF já se julgou incompetente para julgar o caso, uma vez que Blairo não possui mais prerrogativa de foro. “A discussão é a respeito da competência. O recorrente não tem foro no Supremo Tribunal Federal. A decisão apontou as linhas investigativas existentes e reconheceu que apenas uma delas atrai a competência da Suprema Corte. Em rigor, a assertiva de que a maioria dos fatos não autônomos para pedir o declínio de competência para a Justiça Comum Estadual é absolutamente genérica e não se correlaciona a nenhuma das hipóteses apontadas na decisão”, apontou.

Ao entrar com o recurso, o ex-senador requereu que o tema deveria permanecer no STF e sob a responsabilidade do ministro Dias Toffoli, relator da Ararath no Supremo. “Ademais, a decisão embargada não foi atacada. Os embargantes apenas pretendem ver uma outra formatação das investigações, incompatível com a condução dos trabalhos em andamento. A ausência de enfrentamento dos fundamentos é tamanha, que os embargos de declaração não merecem ser conhecidos”, fundamentou.

Além disso, Dodge também elencou que, quando a PGR encaminhou o acordo de colaboração premiada firmada com a empresária Marilene Aparecida Ribeiro e Silva, o STF automaticamente o encaminhou para Toffoli, devido aos fatos apurados estarem, teoricamente, ligados às investigações da Ararath. Contudo, ao analisar o documento, o ministro considerou ser fatos independentes e declinou da competência, solicitando a redistribuição. O acordo então foi encaminhado e homologado pelo ministro Luiz Fux.

As investigações referentes à Operação Malebolge, que apura crimes delatados pelo ex-governador Silval Barbosa, foram desmembradas em oito peças. O caso foi encaminhado para a Justiça Federal porque o novo entendimento do STF dispõe que o foro privilegiado só é válido para crimes cometidos durante o mandato e em função do cargo.

Imprimir
Comentários












Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.





RÁDIO

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da

Citadas por Temer, fake news não são tema principal da



image